11 agosto 2006

Perversão incontrolada...

Muita gente me chama de pervertido. Podem ter certeza de que eles têm alguma razão, e não me incomodo ne mum pouco com isso. Pra quem gostava de ver fotos de cadáveres na internet quando dos meus dezesseis anos de idade, até que isso me é permitido, certo? Pois bem. Acho que não é mais segredo de todos que eu ando escrevendo algumas coisinhas ditas impensáveis, por esses dias. Acontece que me bateu uma falta de inspiração há algumas semanas, e não tive condições de terminar o meu oitavo texto. Ele está só na primeira página das cinco que eu esperava escrever. O tema era até bom... Mas voltando ao que eu me propus a contar, lá estava eu, de novo, sentado na cadeira de um ônibus, como nos primeiros dois textos que eu escrevi. O ônibus estava cheio, como sempre. Recostei a minha cabeça no corrimão e iniciei um cochilo de alguns minutos, pensando na vida, ou em qualquer outra besteira que me distraísse... Quando o ônibus já estava na avenida Paralela, pararam duas mulheres ao meu lado. Eu estava sentado no corredor, e com a cabeça onde estava, meus olhos ficavam exatamente nivelados com aquilo de mais precioso que as duas possuíam. Ambas de coxas grossas, bumbum avantajado, calça jeans (ugh!) e aquelas blusas que vivem subindo, mostrando a barriguinha. Impressionante como a minha imaginação começou a funcionar rapidinho... Com se não bastasse, tinha uma coroa gostosa a beça dormindo bem na minha frente, e mais outra do meu lado. O ônibus fazia movimentos bruscos, e a cada um deles, aquelas mulheres se roçavam em meu ombro. Ou melhor, aquilo que fica entre as pernas delas. Pareciam não se incomodar nem um pouco com isso, e, igualmente, eu não fazia questão de me endireitar no banco do ônibus. Imaginei-me de pé, atrás das duas, no mesmo ônibus cheio, só que "brincando". Seria interessante, aposto que muita gente tem essa tara de transar dentro de um ônibus cheio, ou em qualquer outro lugar com muitas pessoas. Tive que fechar os olhos pra não pensar ainda mais besteira, mas não adiantou muita coisa. Dali a umas cinco paradas elas desceram, e aqueles devaneios ainda pairavam na mnha mente... Mais duas mulheres do mesmo quilate das outras pararam do meu lado. E as duas coroas ainda estavam ali. Eu já estava quase transpirando, mesmo com todas as janelas abertas... Desta vez, uma das mulheres vestia uma saia a mais ou menos um palmo acima do joelho. Não parecia depilar as coxas, mas aqueles pêlos eram tão fininhos que nem era necessário. Quis passar a mão, subir com ela pelas coxas até sabe-se lá onde, mas me contive. Fui obrigado a me privar desse prazer, em prol da minha integridade física e moral. Desceram três pontos depois, e apenas a coroa da minha frente continuava ali. Eu a conheço, converso com ela quase que diariamente. Falei alguma coisa ao seu ouvido, só pra sentir aquele Biografia no seu pescoço, antes que ela descesse. A questão é: sou pervertido sim, qual é o problema? Passei a escrever contos eróticos há apenas dois meses, não me sinto um grande autor, nem acho que um livro com todos eles seria um best seller nas livrarias de todo o país. Apenas faço isso por diversão, por prazer (entendam como quiser). Gosto de escrever, e apenas uni o útil ao agradável. Aposto que muita gente tem medo de revelar as suas fantasias assim, pra qualquer um, sem censuras. Quem não teria? Já me disseram que eu tenho uma imaginação extremamente fértil. Reclamaram até daquilo que eu chamo de "visão de raio X", ou seja, da minha mania de tentar ver as cores das peças íntimas das mulheres quando suas roupas exibem alguma transparência (ainda que quase nula), quando estão sobre a luz ideal, ou quando elas exibem qualquer brechinha. Acho isso divertido... Tento ser discreto, mas isso tá ficando chato. O legal é perceber que elas ficam sem graça quando a gente olha. Mesmo aquelas que vestem roupas curtas de propósito. Também não costumo fazer caras e bocas, como passar a língua entre os lábios enquanto olho pra elas; acho isso vulgar demais. Enquanto eu não achar outra mania que me distraia nos noventa minutos diários de viajem do interior da minha casa até o centro da cidade, continuarei sim a ser pervertido. Perdão, garotas... Veja também: Tirar pra fora dentro do metrô: isso sim é preversão... Parafilia - Wikipedia Perversão - Wikipedia Voyeurismo - Wikipedia Fetiche - Wikipedia
Comentários
1 Comentários

1 comments:

A disse...

Eu ia comentar antes, mas os links do post me deixaram distraída.

Postar um comentário

Regras são chatas, mas...

- Seu comentário precisa ter relação com o assunto do post;
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros blogs ou sites;
- Não inclua links desnecessários no conteúdo do seu comentário;
- Se quiser deixar sua URL, comente usando a opção OpenID;
- CAIXA ALTA, miguxês ou erros de ortografia não serão tolerados;
- Ofensas pessoais, ameaças e xingamentos não são permitidos;